Primeiras Impressões | Uma Musume: Pretty Derby tem proposta diferente, mas conta com problemas

Além de Mahou Shoujo Ore, outro anime se destacou pela estreia na temporada de Abril/Primavera de 2018. Coincidência ou não, ele também se encaixa na categoria de animes peculiares e recebeu dois episódios de uma vez só.

Uma Musume é baseado em um jogo para celular e se passa em um mundo onde existem garotas-cavalo (Sim, você não leu errado). Além disso, existe um esporte praticado especificamente por elas, que é uma mistura de atletismo com hipismo. Com isso, podemos deduzir que este é um anime de esporte.

Esse é um dos elementos mais interessantes dele, pois os japoneses normalmente acertam em animes com temática esportiva. Alguns exemplos clássicos são Haikyuu!!, de vôlei; Kuroko no Basket, de basquete; e até Captain Tsubasa, que chegou no Brasil com o nome Super Campeões.

A ideia é justamente deixar as coisas mais emocionantes do que na vida real. No caso de Uma Musume, as corridas são empolgantes, a competitividade está presente a todo momento e a atmosfera da competição chega a ser imersiva. Em relação a parte esportiva do anime, não há do que reclamar, até porque a animação é do estúdio P.A. Works, responsável por animes como Angel Beats, Another e Charlotte.

Porém, nem tudo são flores… Quando o anime sai do lado competitivo e foca na vida acadêmica da protagonista, parece que estamos assistindo a outro história. Até a animação fica mais inconsistente.

Um dos maiores problemas é que ele se leva a sério demais. Garotas-cavalo é assumidamente uma ideia incomum, mas ele trata como se fosse uma coisa normal, explicando sua origem de forma bem superficial no início do primeiro episódio. Além disso, existem algumas peculiaridades que chamam atenção.

Uma delas é o próprio nome das personagens. A protagonista, por exemplo, se chama Special Week, que traduzido para português fica “semana especial”. Enquanto isso, outra personagem se chama Vodka, e por aí vai. Tudo bem que nomes de cavalos normalmente são esquisitos, mas o anime trata tudo isso com muita naturalidade, perdendo a oportunidade de apostar em um alívio cômico.

Outra coisa que incomoda é o roteiro, que facilita, e muito, a vida da protagonista. As coisas simplesmente caem do céu sem que ela precise fazer nada, o que é bem diferente no mundo esportivo da vida real. Isso perde um pouco o peso do realismo que o anime tenta passar, já que sabemos que no fim ela vai vencer, e quando não vence, o roteiro dá um empurrãozinho.

Special Week é uma garota-cavalo do interior, que tem como objetivo se tornar a maior corredora do Japão. Ela não se difere muito de outras protagonistas, incluindo uma personalidade energética, porém desastrada. A principal coadjuvante é Silence Suzuka, por quem Special Week sente admiração, e tem uma personalidade séria e concentrada. Ou seja, o oposto.

Uma das decisões criativas mais sem sentido é o show que as vencedores da corrida fazem para o público no fim. Não existe nenhuma justificativa plausível para isso e o anime nem tenta explicar o motivo. Eu não vejo outra razão senão a venda de CDs e a tentativa de transformar as personagens em idols.

Falando em personagens, essa é uma coisa que o público não pode reclamar. O designer de personagens deve ter trabalhado bastante para criar tantas variações de garotas-cavalo, pois só nesses dois primeiros episódios já aparecem umas 20 personagens diferentes. Como sempre, cada uma conta com um arquétipo, mas apenas quatro ou cinco realmente são importantes para a trama.

Apesar de decisões duvidosas do roteiro e uma trama genérica, parece que o único atrativo de Uma Musume são as corridas feitas pelas garotas-cavalo. Ele pode ser bizarro, mas não assume essa sua característica. Se você procura um esporte peculiar, talvez Keijo seja uma opção melhor.

Uma Musume: Pretty Derby
3

Comentário do Crítico

Uma Musume: Pretty Derby até chama atenção pela sua proposta inusitada e funciona como anime esportivo, mas o lado acadêmico da protagonista pesa negativamente, assim como algumas escolhas criativas.

Sobre o Autor /

Formado em Cinema e Publicidade na PUC-Rio, colab do TechTudo, maquinista do Trem do Hype.

Deixe um comentário

Seu email não será publicado

Start typing and press Enter to search