Crítica | Scooby! O Filme

A franquia Scooby-Doo dispensa qualquer tipo de apresentação. A animação da Hanna-Barbera surgiu em 1969 e conquistou diversas gerações ao longo dos anos com um grupo de crianças enxeridas e um cachorro idiota que desvenda mistérios e desmascara vilões. Para continuar o legado, a Warner Bros. Pictures anunciou o primeiro longa animado da franquia para os cinemas que, infelizmente, precisou mudar seus planos de lançamento por conta da pandemia de COVID-19, chegando recentemente nas plataformas digitais. Agora que já assistimos, podemos responder a pergunta: será que vale a pena conferir o filme?

A produção trata-se de um reboot da história original, recontando o início da amizade entre Salsicha e Scooby, assim como o surgimento da Mistério S.A. A introdução do longa conta com momentos fofos e referências divertidas, criando os laços que são o tema principal. É ótimo ver os membros da equipe, ainda crianças, resolvendo um clássico mistério – mesmo esse segmento sendo claramente voltado para o público infantil. A história se desenvolve melhor com os personagens mais velhos, inovando com uma trama diferente da que estamos acostumados. O tom de mistério passa a ser mais aventuresco, ainda com elementos de investigação.

O coração do filme é a dupla Salsicha e Scooby e, indo mais além, a relação entre humanos e cachorros. O companheirismo dos dois é colocado à prova em diversos momentos do longa, enquanto tentam impedir um “cãopocalipse”. Por conta disso, a animação acaba dando muito mais destaque para os dois, transformando Daphne, Velma e Fred em coadjuvantes, participando menos ativamente através de uma subtrama. A falta de interação entre eles pode ser decepcionante para os fãs que queriam rever os cinco juntos, mas a decisão foi necessária para a introdução de novos/antigos rostos.

A divisão da equipe dá lugar ao grupo liderado pelo filho do herói Falcão Azul, que inclui o bionicão Dinamite e a piloto Dee Dee Skyes. Apesar de eu mesmo sentir falta da Mistério S.A. reunida, o novo grupo temporário é uma das melhores coisas dessa versão, principalmente pela atualização dos personagens clássicos, que poderiam ganhar um filme só deles. Já o vilão da vez é Dick Vigarista que, além de estar divertido como sempre, conta com um exército de robôs mortais e carismáticos, roubando a cena em vários momentos – uma dinâmica que lembra Gru e os Minions de Meu Malvado Favorito.

O longa ainda marca a primeira animação em computação gráfica da franquia, com visuais bem fieis ao material original. A tecnologia permite sequências de ação mais grandiosas, maior movimentação de câmera e riqueza de detalhes, como na textura e na iluminação. Ainda vale destacar o trabalho de design de produção que criou desde a futurística nave Fúria do Falcão até um ambiente mais pré-histórico.

Mesmo com todas essas modernizações, caso você seja um purista da série, não se preocupe, pois a essência ainda está ali. O filme faz questão de manter o traço cartunesco, as caras e bocas e até mesmo os efeitos sonoros característicos, sem fugir de suas origens. Inclusive, o trabalho de dublagem está sensacional, adaptando lugares, expressões e bordões nas vozes de Guilherme Briggs, Fernando Mendonça, Márcio Simões e toda talentosa equipe de dubladores.

Scooby: O Filme se sai muito bem atualizando a história para a atual geração, encontrando equilíbrio na linguagem para os jovens enquanto mantém elementos que transformaram a franquia no sucesso que se tornou. Claro, nem tudo é perfeito, como o uso de Deus Ex Machina na resolução de problemas, mas ainda há uma bonita mensagem sobre amizade e amadurecimento num projeto que deve agradar a todo tipo de fã.

*Scooby! O Filme está disponível no iTunes, Microsoft Store, Vivo Play, Sky Play e Google Play a partir de R$49,90.

Scooby! O Filme
4

Comentário do Crítico

A nova versão aposta na modernização sem deixar de lado os fãs mais saudosistas. O destaque vai para o excelente trabalho de dublagem, honrando o legado da série.

Sobre o Autor /

Formado em Cinema e Publicidade na PUC-Rio, colab do TechTudo, maquinista do Trem do Hype.

Deixe um comentário

Seu email não será publicado

Start typing and press Enter to search