Crítica | Somente O Mar Sabe (The Mercy) – Uma emocionante história real

O mar… Uma parte da natureza que é bela, mas também assustadora quando se decide navegar por suas águas. As pessoas sempre quiseram descobrir mais sobre seus segredos e desafiá-lo à qualquer custo. O personagem de Colin Firth, em Somente O Mar Sabe (The Mercy), é uma dessas pessoas corajosas e aventureiras que toma esse tipo de decisão.

Baseado em uma história real, o longa retrata a vida de Donald Crowhurst (Firth), que decide investir no seu sonho e transformá-lo num acontecimento histórico, quando se inscreve numa importante competição de vela, para ser o mais rápido a dar a volta ao mundo.

Um dos pontos mais interessantes do filme é que em nenhum momento o roteiro julga a decisão de Donald. Apenas nos apresenta todas as dificuldades pela qual ele passa, para conseguir realizar tal feito. E Colin Firth se mostra uma boa escolha para o papel, trazendo trabalho físico e olhares que facilmente alternam entre felicidade e dor.

James Marsh (A Teoria de Tudo) consegue, novamente, trabalhar muito bem a carga dramática de seus personagens, além de usar o humor nos momentos certos. O diretor destaca Donald e toda a sua viagem, mas sem esquecer a esposa Clare (Rachel Weisz) e os filhos dele. Dessa forma, ele consegue tocar o coração do público, mostrando como o sonho de Donald afetou ele mesmo e todos à sua volta.

Weisz está bem no papel, mesmo que não tenha muito protagonismo. Seu discurso reflexivo e muito forte, em uma cena do ato final, é o ponto alto da personagem. Destaque também para o personagem Stanley Best (Ken Stott), que traz piadas leves que nos fazem dar boas risadas.

A edição de som traz tensão e melancolia em algumas cenas, mas não se torna algo tão importante para o filme. Mas a fotografia sim, pois ela consegue destacar a beleza e a escuridão do mar, mexendo com o público e lembrando que tudo é muito novo para o personagem de Firth.

E apesar de ser baseada em uma história real, é perceptível que algumas cenas e falas foram livre interpretação do roteirista para que aquela história fosse melhor contada. Algumas não funcionam muito bem, se tornando diálogos expositivos e cenas que não acrescentam nada, só mostrando algo que já estava subentendido.

No geral, Somente O Mar Sabe é belo e agrada ao público, pois é um drama que fala de escolhas sabendo trabalhar a emoção de sua história. Não sabemos se tudo apresentado em tela realmente aconteceu, mas pareceu muito verdadeiro.

Somente O Mar Sabe
3.5

Comentário do Crítico

Um drama real e emocionante – com toques de humor -, em que Colin Firth apresenta uma boa atuação “ao lado” de Rachel Weisz. Apesar de algumas cenas e falas não funcionarem tão bem, o filme tem um resultado positivo e consegue fazer o público se conectar com a história.

Deixe um comentário

Seu email não será publicado

Start typing and press Enter to search