Crítica | Space Jam: Um Novo Legado

Em 1996, a Warner Bros marcou uma geração com Space Jam: O Jogo do Século. A ideia de colocar os Looney Tunes para jogar basquete com o astro Michael Jordan deu muito certo e o longa virou referência para projetos que misturam animação com live-action. Nos últimos anos surgiram rumores sobre uma sequência, desta vez estrelada por LeBron James, e agora finalmente podemos conferir o resultado. Infelizmente, apesar da proposta interessante, o que prometia ser Um Novo Legado, não faz jus ao filme original.

Na trama, a estrela dos Lakers precisa salvar seu filho vencendo um jogo de basquete ao lado de Pernalonga e companhia, só que as coisas já começam estranhas quando o grande vilão é um algoritmo da própria Warner: Al G. Rhythm. É curioso que o personagem de Don Cheadle possua um projeto chamado Warner 3000, que pretende colocar James em várias produções do estúdio, quando é exatamente a mesma coisa que Space Jam: Um Novo Legado faz.

Assim que o primeiro trailer foi divulgado, surgiram várias comparações com Jogador Nº 1, principalmente pela caça aos easter eggs que as duas obras propõem. O filme em si é recheado de homenagens e referências a praticamente todas as propriedades da Warner, incluindo grandes franquias como DC Comics, Harry Potter e Game of Thrones. E isso não está ligado apenas aos personagens, como também em cenas marcantes ou na trilha sonora. O grande problema aqui é que esses elementos não aparecem de forma secundária, mas sim prioritária. É como se Space Jam: Um Novo Legado fosse um projeto criado pelos executivos da Warner como propaganda descarada da própria empresa.

O longa melhora quando vamos para o segmento animado em 2D, seguindo o estilo dos desenhos clássicos dos Looney Tunes. Inclusive, até mesmo as referências são mais criativas, com destaque para o crossover entre Lola Bunny e Mulher-Maravilha. É uma pena que tudo é feito de forma apressada e os personagens voltam a ficar em segundo plano durante a maior parte da trama. Já o fator nostalgia é usado pontualmente, principalmente porque o roteiro está mais interessado em trazer um público novo, dando destaque para tecnologias modernas, jogos de videogame e redes sociais.

E por falar em roteiro, ele é uma verdadeira bagunça, com sequências desconexas, ideias recicladas e um final megalomaníaco. Mesmo limitado, Don Cheadle se esforça com o material que tem, mas não há muito o que fazer além de interagir com um fundo verde. Já LeBron James é carismático e segura bem o papel principal, mesmo não sendo um ator profissional.

Ser fã do Space Jam original ou dos Looney Tunes não é uma garantia de que vá gostar desse filme, pois a sequência está mais preocupada em fazer propaganda das propriedades da Warner do que contar uma história. O projeto se tornou mais uma vítima dos executivos do estúdio, deixando como legado uma lição para os próximos longas.

Space Jam: Um Novo Legado está em cartaz nos cinemas brasileiros.

Space Jam: Um Novo Legado
2

Comentário do Crítico

A sequência não faz jus ao legado de Space Jam, tendo sua história prejudicada por decisões de executivos.

Deixe um comentário

Seu email não será publicado

Start typing and press Enter to search