Rio2C 2019 | Diretora de A Juíza conta desafios de produzir documentário sobre Ruth Bader Ginsburg

Durante o painel Documentário Global, que aconteceu no último dia 26 no Rio2C 2019, a jornalista e documentarista Betsy West comentou sobre o processo de produção do longa A Juíza (RBG), que dirigiu e produziu ao lado de Julie Cohen. O filme, que conta com duas indicações ao Oscar 2019, aborda a vida de Ruth Bader Ginsburg, Associada da Suprema Corte dos Estados Unidos.

Betsy classifica a produção como um documentário jornalístico. Ela conta que decidiu fazer o filme para tornar a história de Ruth mais conhecida e responder perguntas que não poderia ignorar sobre ela:

“Ela era uma mulher extraordinária e teve um impacto profundo nas leis para a história das mulheres. Porém, sua história não era tão conhecida nos EUA. Ela fez comentários negativos sobre Donald Trump e isso explodiu na época. Nós tínhamos que perguntar sobre isso pra ela, não poderíamos ignorar como jornalistas”.

A diretora ainda contou sobre os desafios de produzir o filme, que levou três anos para ficar pronto. A ideia do documentário surgiu em 2015, mas a entrevista com Ruth só aconteceu em julho de 2017:

“O mais difícil era ter acesso a ela, porque ainda estava em exercício no Tribunal. Também não queríamos apenas filmá-la no trabalho, mas também com a família, na academia. Para trabalhar com documentário é preciso ser paciente e ter estratégia”.

Ela também contou que a diversidade era uma das preocupações do documentário e tiveram o esforço de formar uma equipe composta por mulheres. De acordo com Betsy, grande parte das posições-chave do longa foram ocupadas por mulheres e funcionou muito bem.

Outra preocupação que o filme teve foi com a seleção do que entraria e do que ficaria de fora. A diretora comentou sobre como essa escolha foi feita:

“O processo de fazer um documentário é uma seleção. Fizemos mais de 100 horas de arquivo e, obviamente, deixamos muita coisa de fora. Eu acho que você quer construir o documentário de forma que as pessoas se sintam em uma jornada. Se estou escondendo alguma coisa, é a parte mais chata, que vai deixar as coisas mais lentas ou tirar o foco. Minha parte favorita é guiar a editora por essa narrativa”.

A Juíza (RBG) chega aos cinemas brasileiros no dia 23 de maio. Leia nossa crítica clicando aqui.

Deixe um comentário

Seu email não será publicado

Start typing and press Enter to search