XIX Bienal do Livro Rio termina com a reafirmação da democracia e recorde de público e vendas

A 19ª edição da Bienal Internacional do Livro Rio se encerrou neste último domingo (08). O evento foi marcado por vários bate-papos, encontros com autores e sessões de autógrafos mas, principalmente, pelo crescimento de público e a reafirmação da democracia.

Na coletiva de imprensa sobre o balanço final, o presidente do sindicado Marcos da Veiga Pereira começou agradecendo a procuradora-geral da República Raquel Dodge e aos ministros do Supremo Tribunal Federal Celso de Mello, Dias Toffoli e Gilmar Mendes. O evento sofreu ataques de censura por parte do prefeito Marcelo Crivella, e os ministros suspenderam a decisão judicial que permitia a apreensão de livros na Bienal.

“Eu acredito que a educação vai transformar a nossa sociedade. Acredito que o livro detém uma grande parte dessa transformação”, reforçou o presidente. “Todos fizeram transcender a Bienal. Ela nunca foi tão nacional e internacional.”

Durante esse balanço, também estiveram presentes Mariana Zahar, vice-presidente do Sindicato Nacional dos Editores de Livro (Snel); Tatiana Zaccaro, diretora-geral do evento; e a autora Thalita Rebouças. Elas não só comentaram sobre a força do evento, como também se mostraram felizes com o resultado.

“A Bienal chega no último dia como um evento plural. Plural pois atinge a criança das escolas, os pais, adultos e idosos, e tratando de todos os temas, com igualdade e sabedoria”, disse Tatiana.

“Eu chamo isso aqui de festa. Não é só uma feira, é uma festa muito democrática em que o autor se sente em casa”, elogiou Thalita. “Sou muito grata por sempre estar aqui.”

“Acho muito importante a decisão do STF porque espero que crie uma jurisprudência para que essa censura, não há outra palavra, não volte a ocorrer”, afirmou Mariana. “Espero que a gente esteja vivendo um momento que não permita voltar a ditadura ou qualquer outro período da história”.

Na foto, Mariana Zahar, Tatiana Zaccaro, Marcos da Veiga Pereira e Thalita Rebouças, durante a coletiva da Bienal – Foto: Reprodução/Jornal Hoje em Dia

Segundo dados prévios, mais de 600 mil pessoas visitaram o evento. Na pesquisa, a média de vendas ficou bem acima da edição anterior, e a estimativa foi de que mais de 4 milhões de livros foram vendidos ao longo desses dez dias. Na coletiva, foi dito que a tentativa de censura não prejudicou o evento, só ajudou a alavancar e chegar no patamar de uma Bienal histórica.

No final, Thalita leu o texto que faz parte do Manifesto que reuniu mais de 70 autores, como Babi Dewet, Bruna Vieira, Felipe Neto, Laurentino Gomes, Lázaro Ramos e Pam Gonçalves. Eles gravaram também um vídeo com partes da canção “Apesar de Você”, de Chico Buarque, um dos símbolos da luta contra a ditadura militar no Brasil.


Segue o manifesto:

“A Bienal Internacional do Livro Rio é a oportunidade que temos, a cada dois anos, de nos reunir e encontrar nossos públicos, nos inspirar e debater livremente sobre todo e qualquer tema, sem restrições e com empatia. Um evento de conteúdo qualificado e diverso, reconhecido nacional e internacionalmente como o maior festival cultural do Brasil.

Nos últimos dias, a Bienal se tornou um abrigo democrático, ao lado de 600 mil pessoas que prestigiaram o evento contra as insistentes tentativas de censura. Se engana quem pensa que o alvo é a Bienal Internacional do Livro. O alvo somos todos nós, cidadãos brasileiros, pois não precisamos ter quem determine o que podemos ler, pensar, escrever, falar, ou como devemos nos relacionar. O brasileiro não precisa de tutor, precisa de educação para que cada um possa fazer suas escolhas com consciência e liberdade.

Foi com alívio e muito orgulho que recebemos as duas decisões de ministros do STF, impedindo que a Bienal continuasse sofrendo assédio a literatura e seus leitores. Do contrário, se criaria uma jurisprudência que colocaria todos os eventos culturais, autores, editores e livrarias do Brasil, a mercê do impedimento do que é próprio ou impróprio, a partir da ótica de cada um dos 5.470 prefeitos do país.

Encerramos essa edição histórica da Bienal Internacional do Livro Rio com o coração cheio de orgulho e determinação. Ela não acaba hoje, ela seguirá com cada um de nós todos os dias. O festival foi memorável. Deu voz e ouvidos à todos os públicos. Reuniu e celebrou a cultura junto com autores, artistas, pensadores, lideranças de movimentos sociais, pastor evangélico, monges, budistas, jornalistas, acadêmicos, ativistas, chefes de cozinha, entre muitos outros.

Viva a Bienal do Livro Rio! Viva a cultura! Viva a liberdade e a democracia!”

Quem quiser conferir o vídeo da leitura do manifesto, está disponível no G1 (clique aqui).

A 20ª edição da Bienal foi confirmada durante a coletiva, mas ainda sem data oficial divulgada.

1 Comentário

  • meta-technology.net
    2 anos ago

    Quality articles or reviews is the secret to attract the visitors to
    go to see the site, that’s what this web site is providing.

Deixe um comentário

Seu email não será publicado

Start typing and press Enter to search